"Na terra dos sonhos podes ser quem tu és, ninguém te leva a mal..."

.posts recentes

. A vida em tempestade

. "Gato Esteves"

. Voei

. A Existência

. Férias

. Próxima paragem... Beja!

. O teu bem faz-me tão mal

. Estrutura monolítica das ...

. Humana vontade

. Não quero

.arquivos

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

.favorito

. Perfumes

. "A nossa única riqueza é ...

. Caeiro e eu

. Porque...

. Amizade - o que é?

. Há coisas que nunca mudam

. Fazer o impossível

. Os direitos inalienáveis ...

. A nêspera

. Casamento

Segunda-feira, 19 de Novembro de 2007

Opiniões políticas

Vou transcrever aqui algumas partes de um artigo de opinião com as quais muito me identifiquei.

 

"(...) Quando o mais afável, paciente, moderado e democrata Rei de Espanha lançou o "por qué no te callas?" é impossível não ter sentido uma considerável admiração. (...) Por ele, na estrita medida em que 'desconstruiu', em cinco palavritas, a imperturbável carreira de Chávez: (...) Junto dos outros Presidentes, Chávez fala como 'revolucionário'. Perto do povo - e das suas milícias - comporta-se como 'poderoso'.

 

(...)

 

A forma como uma certa esquerda - na Europa e sobretudo cá - lida com os seus ícones sul-americanos é desajeitada, para não dizer desastrosa. Para alguns marxistas tristes, a América do Sul é uma espécie de ilha de utopia.

 

(...)

 

(...) Mais espantoso é o mito Guevara. Che transformou-se num produto globalizado, diria mesmo dolcegabbanizado, e é uma espécie de 'santo laico' do século XX. Só há um óbice: no curto período em que mandou, Che revelou-se um leninista sem concessões, com lições tchekistas bem aprendidas. (...)

 

Por que é que uma certa esquerda é condescendente com um regime - o chavista - que prende opositores, fecha televisões, obriga os militares a jurar pelo socialismo, fornece kits marxistas a qualquer criança que vá à escola e apaga, passo a passo, os últimos vestígios do Estado de Direito?

O móbil destas cumplicidades é o anti-americanismo. Assim como há, no Ocidente, intelectuais de esquerda que 'justificam' os talibãs - e o terrorismo - porque preferem qualquer inimigo da América à América, também há quem 'explique' Chávez pelo simples facto de Chávez ser 'contra o império'.

A infantilização da questão imperial não é nova. (...) O império é o eterno inimigo: sejam os castelhanos sejam os ianques, no século XVI ou XXI, tanto dá. É propaganda da mais barata que há. (...)"

 

Paulo Portas in Revista Tabu nº 62, 17 de Novembro de 2007

sinto-me:
publicado por coisasquetais às 21:13
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Vânia Caldeira a 20 de Novembro de 2007 às 20:52
Nem acredito que o Portas foi capaz de tecer um comentário tão realista e pertinente... Louvável, este achado!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds